AS COLIGAÇÕES PROPORCIONAIS E OS RESULTADOS ELEITORAIS PARA DEPUTADO ESTADUAL NO BRASIL EM 2014

Romer Mottinha Santos, Ana Paula Lopes Ferreira, Fabricia Almeida Vieira

Resumo


Este estudo evidencia uma pesquisa sobre os resultados eleitorais para o cargo de deputado estadual de 2014 no Brasil, nos 26 estados e no Distrito Federal, com o objetivo de identificar qual o desempenho dos partidos e coligações dos eleitos. No mesmo, analisa-se quais partidos optaram por coligações proporcionais e qual o percentual de eleitos por coligações e por partido único. Com isso, pode-se analisar os resultados eleitorais dos candidatos e partidos coligados comparando com os não coligados (chapa puro sangue) e se os que fizeram parte das coligações majoritárias conquistaram maior número de cadeiras nas Assembleias Legislativas. Trabalha-se com duas hipóteses na pesquisa: I) de que o sucesso eleitoral dos candidatos aos legislativos estaduais em eleições proporcionais depende da coligação proporcional ou majoritária que o partido optou para a disputa; II) que possa ter uma distribuição variável de coligações nos estados conforme o tamanho do distrito por número de cadeiras. Para testar tal hipótese usamos a metodologia de pesquisa quantitativa e de análise de conteúdo, que permite identificar quantos candidatos obtiveram sucesso eleitoral por partido ou coligação. Os resultados preliminares demonstram que os partidos que optaram por coligações conquistaram mais cadeiras para deputados estaduais e que o número de coligações pode variar nos estados e também nos partidos, pois das 1059 cadeiras para as Assembleias Legislativas foram 829 (78,28%) deputados estaduais eleitos por coligações proporcionais.


Palavras-chave


eleições; partidos; coligações proporcionais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Afonso; STEIBEL, Fabro Boaz; CARNEIRO, Carolina Maria Zoccoli. A Outra Face do Horário Gratuito: Partidos e Eleições Proporcionais na Televisão. Dados, v. 51, p. 459-487, 2008. Disponível em: . Acesso em 08 set. 2016.

BARROS, Aidil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de Pesquisa: propostas metodológicas. Petrópolis: Editora Vozes, 2012.

BAUER, Martin. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. & GASKEL, George. Pesquisa Qualitativa Com Texto, Imagem e Som. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.

BRASIL. Eleições. Tribunal Superior Eleitoral. Brasília. Disponível em . Acesso em 08 set. 2016.

BRASIL. Glossário Eleitoral Brasileiro. Tribunal Superior Eleitoral. Brasília. Disponível em . Acesso em 08 set. 2016.

CARLOMAGNO, Márcio Cunha; ROCHA, Leonardo Caetano da. Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 7, n. 1, 2016. Disponível em: . Acesso em 13 set. 2016.

CARREIRÃO, Yan de Souza. Ideologia e partidos políticos: um estudo sobre coligações em Santa Catarina. Opinião Pública, maio, v.12, no.1, p.136-163. 2006. Disponível em .

CARREIRÃO, Yan de Souza; NASCIMENTO, Fernanda Paula. As coligações nas eleições de 2010 para os cargos de governador, senador, deputado federal e deputado estadual no Brasil. Teoria & Pesquisa, v. 21, p. 1-19, 2012. Disponível em .

DANTAS, Humberto; PRAÇA, Sérgio. Coligações entre partidos nas eleições municipais de 2004 e 2008. Estudo de caso DEM/PFL e PT. Revista On-Line Liberdade e Cidadania, v. IV, n. 17, p. 1-12, 2012.

DUVERGER, Maurice. Os partidos políticos. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.

FLEISCHER, David. Coligações eleitorais. 2006, p. 12-16. In: AVRITZER, Leonardo & ANASTASIA, Fátima (Orgs). Reforma política no Brasil. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

KERBAUY, Maria Teresa Miceli. As eleições municipais de 2008: Federações Partidárias ou Partidos Nacionais. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais. Araraquara: UNESP, v. 36, p. 1-10, 2009. Disponível em .

KRAUSE, Silvana. Coligações: o estado e os desafios da arte. In: KRAUSE, Silvana; DANTAS, Humberto; MIGUEL, Luis Felipe (Org.). Coligações Partidárias na Nova Democracia Brasileira: Perfis e Tendências. Rio de Janeiro: Konrad-Adenauer-Stiftung; São Paulo: Ed. UNESP, 2010, p. 9-22.

MIGUEL, Luis Felipe; MACHADO, Carlos. Um equilíbrio delicado: a dinâmica das coligações do PT em eleições municipais (2000 e 2004). Dados, v. 50, p. 757-793, 2007. Disponível em .

NICOLAU, Jairo Marconi. Sistemas Eleitorais. 6ª ed.- Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

SPECK, Bruno Wilhelm; CERVI, Emerson Urizzi. Dinheiro, Tempo e Memória Eleitoral: Os Mecanismos que Levam ao Voto nas Eleições para Prefeito em 2012. Dados, v. 59, p. 53-90, 2016. Disponível em: . Acesso em 15 set. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Legislativo Paranaense ISSN 2595-6957

Indexado em:

Google Acadêmico